Posted by: Marcela Bonazzi | August 15, 2008

Valores, morais e costumes

 

Tá, eu sei que metade das pessoas já bodiaram de ler esse texto só pelo título. Mas não se deixem levar pela aparência, leiam, o que custa?!

Hoje, durante a aula de Teorias da Mídia (ou Teoria das Mídias, até hoje não descobri o nome dessa matéria) o professor tocou em um assunto que é muito polêmico, e até hoje é tabu em alguns lugares. Sim, estou falando de sexo.

O professor estava falando de cultura midiática e traços culturais. Ele então começou a perguntar quem era da religião católica e o que ela dizia sobre sexo antes do casamento. O catolicismo não aprova a prática sexual antes do matrimônio, disso todo mundo já sabe, e ele perguntou para algumas pessoas da sala o que elas achavam do assunto. Não prestei muita atenção nas respostas, ouvi apenas a da Maki, que mesmo não estava sentada do meu lado sei que ela deu a mesma resposta que eu: que não ligava pra isso, e achava que, desde que a pessoa esteja confortável com a situação, tudo bem. Fiquei chocada com o que aconteceu depois.

 

A reação da sala foi, no mínimo, estranha. As pessoas achando absurdo (não sei se era o fato de eu pensar assim ou de as pessoas, no geral, pensarem assim até hoje, seja lá o que isso quer dizer…) que alguém ainda se mantenha puro até o casamento. Juro, nem me senti em uma sala de quarto semestre de jornalismo.

 

Na volta para casa estava com isso muito entalado em mim, e vim conversando com a Maki no ônibus. Poxa, eu não acho que ‘ficar puro até o casamento’ queria dizer apenas ‘ficar virgem até casar’. Lógico, essa foi a pergunta do professor e eu respondi com muita sinceridade, realmente não vejo problemas, mas acho que a questão vai muito além disso.

 

Eu realmente acredito que uma pessoa possa ficar pura até o casamento, e não precisa ser virgem para isso. Se você mantiver suas morais, seus valores e costumes, independente do que forem falar de você, se você conseguir se mater íntegro, na minha opinião você é mais puro do que muito virgem por aí. Claro, isso é a minha opinião. Para a igreja católica a pureza está diretamente ligada à virgindade, mas, no final, quem faz as regras é você. Quer ser católico e seguir tudo a risca, seja! Quer ser ateu e ficar virgem até encontrar a pessoa certa, seja! Quer transar com todos os caras do mundo antes de se amarrar a uma pessoa só, transe! É católico, mas quer experimentar de tudo antes do casamento, experimente! Quem sou eu para te julgar?

 

Cada pessoa tem uma concepção diferente sobre as coisas. Para uns, uma noite de sábado só é boa quando envolve bebida, drogas, balada e ressaca. Para mim pode ser um filminho ao lado do namorado ou uma sleepover recheada de risos. Não preciso ficar bêbado para me divertir, realmente não preciso. Não é isso que eu quero para mim, isso vai contra os meus valores.

 

Meus valores não foram instituídos pelos meus pais ou meus avós, foram guiados por eles, e criados por mim. Eu poderia muito bem sair todo final de semana e ficar com vários caras. Minha mãe ia se preocupar, é claro, mas não ia me impedir. Desde que eu tenha juízo e responsabilidade, posso me cuidar sozinha, sou velha e esperta o bastante para isso. A questão é que eu não sou assim. Eu prefiro assistir Disney Channel e comer brigadeiro a ir ao bar beber tequila. Eu prefiro passar a noite deitada em baixo do edredom com meu namorado a me enfiar em uma balada cheia de fumaça e gente esbarrando em mim.

 

Lógico que, de vez em quando, eu saio à noite e vou dançar. E leve bem ao pé da letra, eu vou D-A-N-Ç-A-R. A última vez que fui a uma balada, balada mesmo, foi no aniversário da Mari, no Notre Dame. Me acabei dançando com a Pri, e para dizer que não bebi nada eu dividi duas garrafas de Smirnoff com ela, para matar a sede. Pronto, saímos tarde e nos divertimos muito, foi uma delicia. Não precisei beber e nem me drogar.

 

Cada pessoa deve fazer o que faz bem pra ela, o que a faz se sentir bem. Eu me sinto bem dançando na rua sem ter vergonha nenhuma, cantando a plenos pulmões quando dá vontade e assistindo filmes da Disney. Me sinto bem ouvindo Jonas Brothers, Backstreet Boys, Aerosmith e U2. Me sinto bem rindo de tudo e fazendo palhaçada, mas, o mais importante: me sinto bem, pois sei que, na minha concepção, eu sou pura, e não importa o que os outros digam, eu enquanto eu seguir aquilo que eu acredito vou me sentir assim.


Responses

  1. Mah…bem acho q vc sabe que minha opinião não difere em quase nada da sua e da Maki e falo quase nada pq realmente creio q encontrarei algo q naum seja parecido uahuahuha
    Que isso é tabu é fato e que as pessoa são,algumas, infantis e retardadas por não saberem falar como ADULTOS sobre isso também é fato.cada um faz da sua vida o que quer,acredita e deseja seguir.Se você não entende…Aceite afinal a vida não é sua.
    Bem o post está muiiito bom..mas isso eu falo sempre.
    Vale lembrar também que duvido que eu acho Marcela’s capazes de se igualarem a vcs
    Bjus super

  2. UHUL diga não ao Ctrl C+Ctrl V!!!!!! O que vale mesmo é você sempre ser real a si mesmo, não se enganar e defender com unhas e dentes aquilo em que você acredita.
    Faço minhas as suas palavras. Ser puro não significa ser virgem. SIgnifica ser verdadeiro a si mesmo, não se deixar enganar e levar pelo o que os outros falam de vc!!!!

    Amo amo!!!

  3. Uhuu!!E viva a Smirnoof Ice!!hehehe…
    Ctz.. a gente se divertiu mtoo aquele dia e ficamos mtoo de boa!!!
    Maki, vou aderir a sua campanha: “Diga não ao Ctrl C+Ctrl V” hehehe….

    Bjaoo!!!


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

%d bloggers like this: